Ciência com fronteiras?

Para a ciência, tão importante quanto a pesquisa em si é a publicação dos resultados, geralmente feita em revistas científicas especializadas. Isso permite que cientistas conheçam os trabalhos de seus colegas, aprendam com seus erros e acertos e conheçam suas ideias, mesmo que estejam em lados opostos do globo. No Brasil, professores e estudantes tem acesso gratuito  a uma grande quantidade de periódicos científicos  através de uma plataforma mantida pelo Ministério da Educação – a Plataforma de Periódicos da Capes.  Além dos artigos publicados em periódicos, a ciência também é veiculada por livros. A colaboração e intercâmbio de ideias e métodos estão no cerne da ciência e qualquer coisa que ameace essa comunicação é grave para o avanço científico.

Postagem submetida em maio de 2014:
Os autores devem acompanhar o Conecte e
avisar caso seu texto demore a ser publicado

Mas eis que o deputador federal Vicentinho (PT/SP) apresentou à Câmara um projeto de lei que proíbe órgãos públicos de comprar publicações estrangeiras. Espero, e acredito, que tal projeto não tenha êxito. Mas caso fosse aprovado, representaria o isolamento da comunidade científica brasileira da ciência mundial, privando-nos, especialmente, dos avanços conquistados em países com elevado desenvolvimento científico – como EUA, Canadá e muitos países europeus.

A proposta de Vicentinho está na contramão da humanidade, da ciência e, o que é mais surpreendente, do governo federal brasileiro. É oposto ao caminho da humanidade porque esta cada vez mais preza pelo convívio pacífico e cooperação entre os povos;  nossas diferenças, antes motivo de separação, agora são vistas como complementares. Vai de encontro à ciência porque esta também tem trabalhado no sentido de colaboração entre pesquisadores de vários países; foi assim que aconteceu, por exemplo, o Projeto Genoma, fruto de um consórcio multinacional do qual o Brasil participou. E esse projeto caminha no sentido contrário do governo brasileiro, que através de medidas como o Programa Ciência sem Fronteiras se esforça pela internacionalização de nossa ciência.

Por fim, quero destacar que a ciência é um patrimônio da humanidade, assim como o são as artes em suas mais diversas formas de expressão: escrita, cantada, esculpida etc. Impor fronteiras à ciência e à arte é perverso. Infelizmente, a ciência já tem suas fronteiras, como a que separa os centros de pesquisa das pessoas comuns. Quando se fala da disseminação do conhecimento, trabalhamos para derrubar os muros que ainda existem, e não aceitamos que novas cercas de arame sejam erguidas.

 

Cleanto Rogério Rego Fernandes

Link para o projeto de lei: http://www2.camara.leg.br/camaranoticias/noticias/ADMINISTRACAO-PUBLICA/468333-PROJETO-PROIBE-ORGAOS-PUBLICOS-DE-COMPRAR-PUBLICACOES-ESTRANGEIRAS.html

Categorias: Neurosfera, Notícias, Política. Para adicionar o texto à sua lista de favoritos, use o permalink. Envie um comentário ou deixe um trackback: URL de trackback.

Envie um Comentário

Seu email nunca será divulgado. Os campos de preenchimento necessário estão marcado com um *

*
*