Como colocar preprints no arXiv?

 

É interessante observar que, na medida que uma nova comunidade científica começa a usar o arXiv, as submissões crescem de forma sigmoidal, até uma saturação proporcional ao tamanho da comunidade. Acho que está na hora da comunidade de Neurociência teórica e computacional usar mais o arXiv (muitos jã estão usando). Talvez um dia, exista um mega arXiv, com preprints de neurociencia e biologia (já existe a seção de Biologia Quantitativa). Afinal, o X do arXiv significa que “A Verdade está lá fora…”

Siga o seguinte algoritmo:

1. Faça um paper (ou pelo menos assine um).

2. No dia em que estiver submetendo o paper para a revista, entre no site do arXiv ( a menos que você ache que seu paper é muito revolucionário – ou mal escrito – para alguma revista publicar).

3. Leia as instruções de como colocar um paper no arXiv que estão aqui.

4. Siga as instruções e coloque seu paper ao arXiv.

arXiv

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

arXiv é um arquivo para preprints eletrônicos de artigos científicos nos campos da matemáticafísicaciências da computaçãobiologia quantitativa e estatística que podem ser acessados via internet. Em muitos campos da matemática e da física, quase todos os artigos estão no arXiv. Em março de 2008, arXiv.org continha mais de 469.000 e-prints, com cerca de quatro mil novos e-prints adicionados a cada mês.

Índice

[esconder]

História

O arXiv foi originalmente desenvolvido po Paul Ginsparg iniciado em 1991 como um arquivo para preprints na física e posteriormente expandido de modo a incluir astronomia, matemática, ciências da computação, ciência não-linear, biologia quantitativa e, mais recentemente, estatística. Ginsparg foi condecorado um MacArthur Fellowship em 2002 pela criação do arXiv.

Ele era originalmente armazenado no Laboratório Nacional de Los Alamos (no xxx.lanl.gov, daí seu nome original, o LANL preprint archive) e atualmente é armazenado e operado pela Cornell University, com mirrors pelo mundo. Ele trocou seu nome e endereço para arXiv.org em 1999 para ampliar a flexibilidade.

A operação do arXiv atualmente é mantida pela Cornell University e pela National Science Foundation.[1]

Revisão por pares

Embora do arXiv não possua revisão por pares, uma coleção de moderadores de cada área revê os artigos submetidos e podem recategorizar qualquer um que seja considerado off-topic. A lista de moderadores para muitas seções do arXiv está disponível publicamente[2] mas moderadores para as maiorias das seções de matemática e física continuam não listados.

Referências

Ligações externas

 

From: e-prints@arxiv.org
To: leonardo@****
Sent: Monday, January 16, 2012 2:10:11 AM
Subject: arXiv Replacement -> 1109.2036 in q-bio.NC from leonardo@****

Your replacement of 1109.2036 by submission submit/******* has
been published and is available at:

http://arxiv.org/abs/1109.2036

The paper password for this article is: *****
Please share this with your co-authors. They may use it to claim ownership.

Abstract will appear in today’s mailing as:

arXiv:1109.2036
From: Leonardo L. Gollo <leonardo@ifisc.uib-csic.es>
Date: Fri, 9 Sep 2011 15:03:09 GMT   (77kb)
Date (revised v2): Fri, 13 Jan 2012 20:10:34 GMT   (668kb)

Title: Statistical Physics approach to dendritic computation: The
excitable-wave mean-field approximation
Authors: Leonardo L. Gollo, Osame Kinouchi and Mauro Copelli
Categories: q-bio.NC
Comments: 30 pages, 8 figures
Journal-ref: Phys. Rev. E, 85, 011911 (2012)
DOI: 10.1103/PhysRevE.85.011911

We analytically study the input-output properties of a neuron whose active
dendritic tree, modeled as a Cayley tree of excitable elements, is subjected to
Poisson stimulus. Both single-site and two-site mean-field approximations
incorrectly predict a non-equilibrium phase transition which is not allowed in
the model. We propose an excitable-wave mean-field approximation which shows
good agreement with previously published simulation results [Gollo et al., PLoS
Comput. Biol. 5(6) e1000402 (2009)] and accounts for finite-size effects. We
also discuss the relevance of our results to experiments in neuroscience,
emphasizing the role of active dendrites in the enhancement of dynamic range
and in gain control modulation.

Categorias: Neurosfera. Para adicionar o texto à sua lista de favoritos, use o permalink. Envie um comentário ou deixe um trackback: URL de trackback.

Um Comentário


  1. Fatal error: Uncaught Error: Call to undefined function ereg() in /home/storage/5/54/f3/blog250/public_html/wp-content/themes/thematic/library/extensions/hooks-filters.php:194 Stack trace: #0 /home/storage/5/54/f3/blog250/public_html/wp-content/themes/thematic/comments.php(34): thematic_commenter_link() #1 /home/storage/5/54/f3/blog250/public_html/wp-includes/comment-template.php(1471): require('/home/storage/5...') #2 /home/storage/5/54/f3/blog250/public_html/wp-content/themes/thematic/single.php(38): comments_template() #3 /home/storage/5/54/f3/blog250/public_html/wp-includes/template-loader.php(74): include('/home/storage/5...') #4 /home/storage/5/54/f3/blog250/public_html/wp-blog-header.php(19): require_once('/home/storage/5...') #5 /home/storage/5/54/f3/blog250/public_html/index.php(17): require('/home/storage/5...') #6 {main} thrown in /home/storage/5/54/f3/blog250/public_html/wp-content/themes/thematic/library/extensions/hooks-filters.php on line 194